PROTOCOLO PARA RETORNO À COBERTURA JORNALÍSTICA (INTEGRANTE DO PROTOCOLO JOGO SEGURO – FERJ)

A ACERJ promoverá um prévio credenciamento dos profissionais que estejam dispostos a frequentar os locais de jogos de futebol, para fazer a cobertura dos campeonatos, quando for permitido pelas autoridades de saúde o retorno às atividades normais.
Estas informações visam estabelecer um protocolo a ser seguido colocando em prática ações de segurança e assistência aos cronistas esportivos, funcionários da ACERJ e dos estádios de futebol e pessoas próximas a cada um destes.
Os profissionais de imprensa deverão passar por testagem de infecção por Covid-19, sendo recomendado o teste PCR-RT por coleta de swab das nasofaringes e orofaringe.

A Organização Mundial de Saúde preconiza três condições essenciais como únicas medidas eficazes de contenção do Novo Coronavírus, quais sejam:
. Distanciamento social
. Barreira respiratória
. Higienização das mãos

NOS ESTÁDIOS
a) A ACERJ disponibilizará, para cada profissional de imprensa que ela credenciar, um kit contendo máscara protetora e vidrinho de álcool gel, no ato do credenciamento, na entrada de imprensa do estádio. Só então ele receberá a pulseira que dará acesso à área de imprensa. As máscaras serão de uso obrigatório durante todo o tempo (exceto para o narrador durante a transmissão, quando ele estará isolado em sua cabine). Roupas e bolsas/malas de equipamentos serão higienizados externamente.

b) Em cada cabine de rádio (Maracanã, Nílton Santos e São Januário) só será permitida a permanência de 1 pessoa (o narrador) durante o desenrolar da transmissão. No caso de jogo que não tenha transmissão de TV, nem aberta e nem fechada, será permitido ao veículo credenciar mais 1 profissional (o comentarista), que, todavia, não poderá ficar na cabine, devendo ocupar a tribuna, mantendo o distanciamento de 2 metros para outras pessoas.

b-1) Nas cabines de TV (mais espaçosas) poderão estar 2 pessoas (locutor e comentarista), mantendo distanciamento de 2 metros) e cameraman.

c) Na Tribuna de imprensa (Maracanã e Nílton Santos) as bancadas só poderão ser utilizadas intercaladamente – uma sim, uma não. Em cada uma delas, apenas 1 pessoa poderá permanecer. Em São Januário, que cede um dos camarotes para profissionais de imprensa, deverá ser mantida a distância entre as pessoas recomendada pelas autoridades de saúde e usando máscaras todo o tempo.

c-1) Caso haja jogos em estádios de menor porte (tais como Raulino de Oliveira e Eucyr Resende de Mendonça) o procedimento será o mesmo em relação à ocupação de cabines: apenas 1 pessoa (o narrador) poderá permanecer em cada cabine. Também será disponibilizado o kit de máscara/álcool gel para cada profissional, para uso obrigatório.

d) No campo cada emissora poderá ter apenas 1 repórter. Não serão permitidas entrevistas de campo, nem antes, nem no intervalo e nem no final do jogo, para evitar aglomeração. Os repórteres deverão se posicionar no entorno do gramado antes da entrada em campo dos times e sair depois que todos os jogadores tiverem se retirado para os vestiários. Durante os jogos deverão ficar atrás dos gols, mantendo distância mínima de 3 metros, uma pessoa da outra.

d-1) As equipes de TV de emissoras não-detentoras e as de gravações deverão utilizar apenas repórter e cinegrafista.

e) Não haverá zona mista; tampouco sala fechada para entrevistas de jogadores e técnicos. A ACERJ vai buscar entendimento com as assessorias de imprensa dos clubes para viabilizar entrevistas por videoconferência, ou qualquer outro modo remoto, após os jogos, das quais os jornalistas possam participar fazendo suas perguntas.

f) A ACERJ solicitará ao administrador do Estádio a desinfecção das instalações de imprensa duas horas antes de sua utilização. Só após isso os profissionais terão acesso às dependências.

g) É recomendado que os profissionais de imprensa cheguem ao estádio em seus veículos próprios, de preferência sozinhos. A ACERJ solicitará à administração do estádio que seja concedido maior número de vagas de estacionamento, o que não deve ser problema, visto que não haverá público no estádio para ocupar as vagas.

h) Na entrada da área de credenciamento de imprensa e nas áreas de cabines de rádio e TV e tribuna de imprensa a ACERJ disponibilizará álcool gel, ou álcool 70%, para higienização de ambientes comuns.

i) É recomendado que cada profissional de imprensa tenha, na medida do possível, seu próprio material de trabalho (microfone, fone, gravador, computador, etc.) evitando compartilhar equipamentos com outros profissionais. O equipamento de trabalho deve ser higienizado com álcool 70% antes do uso e ao final.

TREINOS DOS CLUBES:
Os clubes decidiram não abrir os treinos à imprensa para evitar aglomeração.
Em vista disso, a ACERJ manterá entendimentos com as assessorias de imprensa dos clubes para que seja possível realizar entrevistas diárias por videoconferência com profissionais do futebol (atletas, técnicos) ou dirigentes, conforme a importância do noticiário.

CONCLUSÃO
Esses procedimentos visam proteger a saúde e bem estar dos profissionais de imprensa que forem escalados para a cobertura dos jogos do Campeonato Carioca de 2020 e dos demais que venham a ser iniciados. Submetemos o protocolo à apreciação do médico infectologista Celso Ferreira Ramos Filho (CRM 52.15460-2), Professor da UFRJ, Membro Titular da Academia Nacional de Medicina e ex-presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia, que, de forma voluntária e sem qualquer remuneração, deu o seu parecer favorável à aplicação para esta finalidade.

Rio de Janeiro, 01 de junho de 2020
Diretoria da ACERJ
Eraldo Leite – Presidente
Ricardo Gonzalez – vice-presidente
Sílvio Barsetti, Martha Esteves, Felipe Rolim e Fábio Tubino – Diretores.